Monografia | AC  
Faça aqui seu orçamento !
Contatos
MONOGRAFIA ACMonografias ProntasDissertação de Mestradoprojeto de pesquisaFormatacao de monografia ABNTArtigos CientíficosQualidadeInvestimentoEntre em Contato Conosco
COMO FAZER PROJETOS DE PESQUISA

O PROJETO DE PESQUISA

 

A Monografia AC – Equipe de desenvolvimento de monografias e outros trabalhos de pesquisas, tem todas as condições para auxiliar você a montar seu projeto de pesquisa para sua monografia.

Feed da Monografia ACTwitter da Monografia ACPerfil Facebook

A ação pesquisadora, ou investigação, é caracterizada como o conjunto de atividades intelectuais tendentes à descoberta de novos conhecimentos” (SAAVEDRA, 2001, p. 61)

É corrente, no final do curso de graduação, geralmente no penúltimo semestre, ou ainda durante a disciplina de Metodologia Cienífica, em que há o aprendizado sobre os processos de elaboração dos textos acadêmico-cieníficos, que o aluno se depare com a necessidade de redigir um projeto de pesquisas, sem a menor idéia do conceito, de suas fases, suas necessidades e do melhor caminho a percorrer.

Seja porque as aulas não são suficientes para o procedimento, ou então porque realmente este tipo de texto de investigação demanda uma capacidade de processamento mental científico por parte do aluno. Suas etapas, seu papel e mesmo os diversos elementos que o formam são motivo de ansiedade para quem precisa enveredar por escrevê-lo.

Os diversos itens do anteprojeto servem sempre com um propósito específico, em que reside a maior dificuldade de compreensão sobre este trabalho escrito, estando presente na quase totalidade dos trabalhos deste gênero desenvolvidos para uma posterior monografia ou TCC, em suas mais diversas formas e temas.

O protocolo de pesquisa também é um instrumento que guia o processo, ao qual devemos regressar continuamente para verificar o avanço correto e de importância tal que sua elaboração reflexiva redundará proporcionalmente em benefício do próprio produto, que é o trabalho de monografias ou de TCC final.

Não é suficiente ter uma boa ideia sobre a realização de uma investigação: o anteprojeto ou protocolo deve valorizá-la fielmente sob pena de esta ver-se frustrada desde seu início.

 

O CONCEITO DA PESQUISA

A pesquisa é o conceito fundamental deste artigo e para defini-lo nós poderemos oferecer as seguintes definições:

"Genericamente, a investigação é uma atividade do homem, orientada a descobrir algo desconhecido." (ANDRADE, Maria Margarida, 1997, p.43).

"Uma investigação pode ser analisada como um esforço que se empreende para resolver um problema, consistindo obviamente em um problema de conhecimento." (BECKER, Howard, 2007, p.26).

Define-se o processo pesquisador como uma atividade encaminhada à solução de problemas. Seu objetivo consiste em achar resposta a perguntas mediante o emprego de processos científicos.” (KAPLAN, Abrahan, 2003, p. 19).

Portanto, o conceito de inquirição científica consiste em:

1) A descoberta de algum aspecto da realidade.

2) A produção de um novo conhecimento, o que pode estar dirigido a ampliar os postulados teóricos de uma determinada ciência (pesquisa pura ou básica); ou pode ter uma aplicação imediata na solução de problemas práticos (indagação aplicada).

São atividades diferentes à pesquisa científica:

  • O desenho de um programa de ensino, ou de um plano de estudos.
  • O desenvolvimento de sistemas de informação.
  • Os planos ou projetos de caráter econômico, social, ou tecnológico.
  • As propostas de qualquer índole.

Não obstante, nos casos anteriores, a investigação deve estar presente quando se pretende oferecer ou construir um diagnóstico de necessidades, ou quando o objetivo é provar a efetividade do plano, programa ou projeto.

Em síntese, a coleta e processamento informação científica é um fator dirigido à solução de problemas do saber, mediante a obtenção de novos conhecimentos. Tal processo compreende as seguintes etapas:

  • Planejamento.
  • Execução ou desenvolvimento.
  • Divulgação.

A partir daí, tem-se a necessidade de enfocar na etapa de planejamento da inquirição acadêmica ou científica.

Planejamento, neste caso, significa traçar o plano ou projeto da pesquisa a ser realizado. Esta etapa se divide nos seguintes passos:

1°) Seleção do tema: consiste "... na definição e posterior delimitação do campo de conhecimentos sobre o qual se pensa em trabalhar.".

2°) Identificação de um problema: significa detectar algum aspecto não conhecido dentro de uma área temática e que demande a prática de uma indagação para sua solução.

3°) Formulação do Anteprojeto: refere-se à realização de "... um primeiro rascunho ou papel de trabalho que deve conter as idéias básicas sobre a investigação que o aluno ou o pesquisador se propõe a praticar"

4°) Elaboração do Projeto: baseia-se na produção de um escrito mais extenso e detalhado do que o anteprojeto e sua apresentação formal é o passo que antecede à monografia ou o trabalho de conclusão de curso.

DEFINIÇÃO

Já é comum ouvir mencionar, para as mais diversas atividades, o termo projeto. Assim por exemplo, pode-se ouvir um arquiteto falar do projeto de uma casa que pensa construir; um empresário estudar o projeto de ampliação da empresa; alguns amigos comentar o projeto de uma viagem, e assim sucessivamente.

Muito bem, a palavra em questão, neste sentido genérico não significa mais do que o planejamento de algo. Planeja-se a construção de uma casa; planeja-se a ampliação de uma empresa; planeja-se a realização de uma viagem.

O termo projeto é derivado dos verbos latinos Proicere e Proiectare que significam jogar algo para a frente. Então, a palavra significa o pensamento ou o desígnio de fazer algo; a disposição que se faz de algo, anotando todos os elementos que devem coincidir para seu alcance; o planejamento e organização prévia de todas as tarefas e atividades necessárias para atingir algo.

Nas definições do termo, por mais distintas que elas sejam, coincidem os seguintes elementos estruturais básicos:

1. O projeto é o planejamento de algo.
2. Nele, são indicados e justificados os conjuntos de ações necessárias para atingir um objetivo específico determinado.
3. As ações são planejadas a partir de certos parâmetros de concepção, de tempo e de recursos.

Um projeto poderia ser descrito como o planejamento de algo, no qual se indicam e justificam os conjuntos de ações necessárias para alcançar um objetivo determinado, dentro de determinados parâmetros de concepção, tempo e recursos.

Assim, em uma investigação científica ou acadêmica devem ser planejados detalhadamente os aspectos técnicos, de administração e controle, de infra-estrutura institucional e de pessoal. É o que se denomina formular um projeto de pesquisa científica, que consiste em dispor cuidadosamente, em um documento obrigatoriamente escrito, as atividades que precisam ser realizadas e as especificações e parâmetros de cada uma delas. Este documento (também chamado proposta) cumpre as duas funções básicas de todo exercício de planejamento:

Serve de base para tomar a decisão sobre se convém ou não empreender a atividade proposta.
Serve de guia na realização da mesma.

A formulação do projeto é, sem dúvida, um dos passos mais criativos em toda obra. Em primeiro lugar, quem se dedica a conceber uma pesquisa, isto é a propor e formular um documento como o aqui descrito, escreve um documento no qual se especificam os aspectos técnicos, os aspectos administrativos estruturais que requer para sua objetivação. Na atividade científica, é o usual registrar por escrito todos estes fatores, para evitar deixá-los na memória e para garantir uma maior segurança e precisão, assim como para a divulgação. Por isso esta etapa de concepção e formulação culmina no documento final.

Mas ainda supondo, como caso excepcional, que não deixe escrito este planejamento, o que é evidente é que todo pesquisador, antes de empreender as ações concretas, pensou e decidiu previamente e de forma cuidadosa o que é o que vai fazer e como vai fazer. É possível que nem todos cheguem na concepção e planejamento de sua obra ao mesmo nível de detalhe e precisão, mas pelo menos planejam os grandes traços de seu trabalho.

No trabalho pesquisador não se tem espaço para improvisação. Agora, quanto maior nível de detalhamento seja necessário o planejamento, existe menos possibilidade de cometer erros ou de fazer testes ou atividades inúteis.

Uma vez que já se saiba que fazer e como fazê-lo, entra-se na etapa do raciocínio ou do trabalho de campo e de laboratório (de acordo com o tipo de investigação adotado); é a etapa da consecução, interpretação e análise da informação.

Terminada esta etapa, o pesquisador se sente na necessidade de comunicar a seus colegas e à sociedade em geral o trabalho realizado e seus resultados. Produz um relatório de sua pesquisa. Muitas vezes escreve igualmente resumos de seu trabalho para revistas científicas ou de divulgação, na forma de um artigo científico; escreve um livro ou uma monografia para os interessados na utilização desses conhecimentos. Somente com a divulgação, restrita ou ampla, dos resultados obtidos, dá por finalizada sua obra um pesquisador. Para ele é muito importante esta última etapa, pois nela recebe o reconhecimento de seu esforço, e o que é para ele ainda mais importante, o reconhecimento da comunidade científica, que lhe resulta fundamental para continuar pesquisando.

Na lógica do processo pesquisador, encontramos as seguintes etapas estruturais básicas:

1. Etapa de concepção, planejamento e formulação do projeto de pesquisa científica.
2. Etapa de execução ou de desenvolvimento da investigação.
Etapa de elaboração do relatório final, monografia ou de comunicação dos resultados.

Assim temos o seguinte caminho: PLANEJAMENTO - EXECUÇÃO - INVESTIGAÇÃO

Estas etapas ou subprocessos são próprios da lógica pesquisadora. São inerentes à própria pesquisa e, neste sentido, são necessárias. Em relação ao planejamento e a liberdade de investigação, existiu e existe controvérsia ao adotar o termo planejamento, não no sentido de uma etapa do processo científico, senão em relação com determinadas políticas de financiamento das atividades científico-técnicas.

Pois bem, no sentido político do termo planejamento da pesquisa existiu e existe controvérsia sobre os seguintes dois pontos:

a) A conveniência de desenhar normas que determinem as formas e os aspectos que deve contemplar o planejamento de um projeto de pesquisa e que deve conter o documento do anteprojeto ou a proposta de investigação.

b) A conveniência ou inconveniência de determinar áreas prioritárias para realizar a pesquisa.

Sobre o primeiro ponto (a), o desenho de normas, simplesmente refletimos que elas são padrões de conduta ou de procedimento. E assim como as normas morais ou legais, deve-se distinguir claramente que há algumas mínimas que são, como diria um pensador da modernidade, imperativos categóricos. Advêm da simples lógica das coisas.

Estas estão presentes em qualquer parte e em qualquer tempo. São necessidades estruturais. Outras não se derivam da própria estrutura das coisas, senão que se estabelecem por conveniência. Em tal sentido, poderiam ser consideradas secundárias.

Sobre o segundo ponto (b), a determinação de prioridades pesquisadoras, afirma-se, com razão, que todas as áreas da cultura, da ciência, da tecnologia, da arte e das humanidades, devem ser objeto de investigação. Não se pode, com base em nenhum critério válido, negar ou recusar definitivamente o desenvolvimento de uma ou outra área, de um ou outro tipo de pesquisas, sob pena de arbitrariedade. No entanto, deve-se compreender que uma determinada sociedade, considerando suas particulares necessidades econômicas, sociais, culturais ou políticas, pode escolher dar apoio especial, dentro de suas limitações financeiras, a algumas determinadas áreas do conhecimento. Mas de jeito nenhum recusar as outras. Isto depende de suas conveniências.

Em muitos casos se faz isto para obter um desenvolvimento mais equilibrado e harmônico. Impulsiona-se de maneira especial, por exemplo, as áreas menos desenvolvidas. Em outras oportunidades se considera mais conveniente conceder igual tipo de apoio a todas as áreas do conhecimento. Isto não coibe a liberdade na prática acadêmica ou científica, senão que encaminha as opções. Seria um atentado contra a liberdade científica não deixar pesquisar sobre uma área determinada, impedir de alguma forma tal atividade. Mas se deve ter presente que determinar prioridades não significa recusar aquilo que, em um momento específico, considere-se não prioritário.

Na pesquisa acadêmico-científica também o termo projeto se refere estritamente à primeira etapa do processo pesquisador: à etapa de concepção, planejamento e formulação das ações que geralmente culminam num documento escrito, no qual se consignam os aspectos e elementos básicos previstos para posteriormente empreender seu desenvolvimento.

Observou-se igualmente como esta concepção e planejamento formulados no documento do projeto vão servir de base para tomar a decisão de empreender ou não seu desenvolvimento, e a servir de guia para realizar e controlar as atividades no momento de sua execução.

O mesmo ocorre com qualquer projeto e, obviamente, com a formulação de um documento de pesquisa. Um bom pesquisador planeja cuidadosamente os aspectos técnicos (também denominados científico-técnicos) de sua investigação: os aspectos de administração e controle; e os aspectos estruturais necessários para que esta seja realizada com sucesso.

Os aspectos técnicos de um projeto são aqueles que determinam o quê e o como de algo. São os parâmetros conceituais. Os aspectos de administração e controle são aqueles que determinam quanto pessoal, com que tempo e quanto vale o projeto. São os parâmetros operacionais.

Os aspectos estruturais (alguns os consideram como um elemento dos parâmetros operacionais) são aqueles que determinam os perfis dos recursos humanos, institucionais e técnicos com os quais vai empreender a elaboração da atividade descrita.

Cada um destes aspectos está constituído por uma série de elementos que são comuns a qualquer documento deste gênero. Estes são: o que será feito, como será feito, com quem e com que se fará, quanto tempo dura e quanto custa. No entanto, dependendo da natureza do projeto de que se trata, estes elementos revestem características particulares, e alguns são mais específicos. Por isso, se queremos conhecer os elementos básicos constitutivos de um projeto de pesquisa científica, é necessário recorrer aos elementos estruturais básicos de sua definição. Formular um anteprojeto significa propor cada um destes elementos de uma maneira razoável e válida.

DIFERENÇAS ENTRE PROJETOS CIENTÍFICOS E TECNOLÓGICOS

Científicos:

- Planejamento flexível

Recursos formados por equipes multidisciplinares, recursos ajustávels, tempo prorrogável e investimento recuperável ao longo prazo

Objetivos: produção de novos conhecimentos

Processo lento e custoso, com cronogramas de prazo mais longo

Resultados acadêmicos e científicos focados na estruturação de teorias e conhecimentos de validade universal. Ampla difusão e reconhecimento do público

Tecnológicos:

Planejamento rígido

Recursos formados por equipes transdisciplinares, orçamentos rígidos e tempo estrito, com investimento recuperável a curto prazo

Produção de conhecimentos aplicáveis à produção

Objetivos: de comercialização e produção de mercadorias ou bens.

Processos rápidos com cronogramas de menor prazo

 

RAZÕES PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISAS

Dentro do acima exposto de que o anteprojeto é um compromisso escrito mediante o qual o autor apresenta de maneira sucinta ou breve, clara e estruturada, os diferentes elementos do tema e do plano de investigação que se propõe empreender.

O aluno, através do anteprojeto de investigação pretende demonstrar a importância da pesquisa que propõe, bem como sua aptidão para sua prática. Este documento deve, portanto, convencer ou persuadir o leitor da importância do tema de investigação, em razão de seu objeto de estudo, sua metodologia, seus alcances, seu marco teórico e suas hipóteses.

Deve ainda evidenciar que o futuro trabalho é sustentável, ou seja, é possível, de valor tal que intrinsecamente se fundamenta, e é suscetível de atingir resultados originais, tudo o qual justifica investir o tempo e os recursos necessários para sua realização.

natureza de um anteprojeto

Geralmente, o orientador solicita um projeto de pesquisa para o aluno de modo a experimentá-lo em relação à sua capacidade de transmitir as idéias que o mesmo tem para o papel sobre o trabalho que realizará posteriormente, de modo que se o aluno apresenta um maturidade científica ou acadêmica, para a qual mais comumente ele não recebeu o devido preparo na Universidade, para realizar um bom anteprojeto, o mesmo terá grandes chances de também desenvolver sua monografia a contento. E isto é um fato: mesmo que ele não domine as técnicas de escrita mais comuns nos trabalhos monográficos, o aluno já terá o domínio do tema, de como vai tratar o mesmo e o que ele precisa para cumprir os objetivos propostos.

Mesmo tendo aulas de Metodologia Cientifica, o aluno não sabe o que são nem como fazer projetos de pesquisas, conhece o termo Monografia mas não domina o procedimento para elaborar o seu trabalho monografico, nem mesmo conhece o artigo cientifico e suas especificidades. Assim, temos a grata missão de enunciar neste artigo o conceito do termo em questão e sua aplicação nas futuras monografias.

A melhor definição cabível neste artigo sobre o texto em questão é que este é um plano de trabalho da futura pesquisa a ser realizada para a construção do trabalho monográfico ou do TCC, visando primordialmente a definição dos rumos a serem adotados de acordo com a natureza específica do seu estudo, de modo a facilitar sobremaneira seu trabalho futuro.

Seu delineamento, assim como as condições impostas para sua realização, é mais ou menos homogêneo, apresentando variações próprias de acordo com a matéria ou o curso de origem do autor, mas também de sua finalidade. Obviamente, anteprojetos que estabelecem prazos terão no cronograma, por exemplo, um enfoque muito maior que aqueles feitos somente para explicitar um

Da mesma forma, o projeto de pesquisa serve também para apresentar suas intenções de trabalho e investigação a outras pessoas, como seu próprio orientador de monografia ou tcc, a secretaria de sua Universidade, um órgão financiador de pesquisa, concessor de bolsas de estudo, como a CNPq, por exemplo, ou outras organizações, como uma empresa em que o aluno porventura deseje estagiar. Assim, para alunos que se candidatam a uma vaga de Mestrado Stricto Sensu, é normalmente exigida a elaboração deste para que possam ser avaliados.

Todas as agências financiadoras do Brasil e do mundo, ou seja, as instituições que oferecem bolsas de estudo para alunos em troca de uma pesquisa, ou mesmo que financiam pesquisas em universidades, hospitais, grupos, outras agências, organizações, sempre solicitarão um anteprojeto descritivo do que se pretende realizar, a fundamentalidade, o que se espera, mesmo que não haja a realização posterior de uma monografia, e sim de um trabalho prático (apesar de que muitas entidades que fazem tal gênero de prática se beneficiariam muito da realização de uma monografia descritivo-analítica posteriormente).

Este é o segundo papel de um projeto de pesquisa: forçar o aluno que deverá realizar seu texto monográfico a redigir suas idéias e avaliar se o trabalho de realização monográfica do aluno valerá a pena ou não. É claro que não é somente no caso de monografias, mas de projetos de execução, propostas, um curso, um trabalho, etc.

Via de regra, este se encontra orientado para a resposta de perguntas conceituais como: O quê? Para quê? Por quê? Onde? Como? Quando?

Assim, sua construção deve ser específica para ordenar de maneira metódica e completa aquilo que o aluno realizará posteriormente em sua monografia ou seu artigo cientifico.

Para a consecução dos seus objetivos, o projeto de pesquisa é dividido em partes específicas do mesmo, cada uma com sua funcionalidade, como se verá abaixo. A definição do tema é uma das partes essenciais do projeto, onde ocorre a seleção do objeto de estudo.

Os objetivos, que serão normalmente divididos entre gerais e específicos, são as indicações do que se pretende estudar, quais os resultados que se procura alcançar, auxiliando ainda a identificação da natureza de investigação, assim como da delimitação da mesma.

A fundamentação teórica tem a finalidade de nortear o entendimento atual sobre o tema da futura monografia, apresentando fontes de pesquisa ou bibliografias já realizadas sobre o mesmo tema, ou altamente correlato, sendo a hora do levantamento das publicações existentes, assim como do teor das mesmas, relacionadas ao mesmo tema do projeto.

Não se preocupe em realizar a mais completa e mais ampla fundamentação teórica em seu anteprojeto, o que é papel de sua posterior pesquisa. Muitas vezes, alguns alunos acabam dando tanta atenção a tal campo que se esquecem dos elementos principais deste material: a metodologia e os objetivos.

Todo projeto de pesquisa indica uma metodologia, que consiste na explanação do método, do modus operandi a ser adotado pelo aluno para a realização do seu trabalho monográfico. O modelo escolhido de tratamento oferecido aos dados a serem obtidos também faz parte da metodologia.

Esquema do Projeto de Pesquisa - Planejamento operacional da Pesquisa e Conceituação do Objeto da investigação

A definição dos custos projetados para a posterior pesquisa também deve estar indicada, demonstrando-se detalhadamente os gastos futuros a serem realizados para a consecução do trabalho.

Já o cronograma tem o estrito papel de servir como elemento de ligação entre as variáveis de tempo e o trabalho a ser realizado, devendo estar indicado por fases ou etapas, de modo a permitir a compreensão do aproveitamento do período disponível por parte do aluno e autor. É comum que alguns indivíduos, principalmente aqueles que se encontram no mestrado ou no doutorado, sofram por prometer mais do que podem cumprir na fase do projeto, e não conseguem encaixar sua pesquisa prática ou de campo no cronograma indicado anteriormente. Esta falta de coerência, apesar de não ser rara, deve ser evitada a todo custo, pois sem dúvida sacrificaria a qualidade de vida do aluno, e pode, como costuma acontecer, sacrificar também a qualidade do trabalho.

Termina-se o projeto de pesquisa com as referências bibliográficas adotadas para a realização do mesmo, assim como para as escolhidas para o norteamento do trabalho a ser realizado.

O essencial é que você tenha um excelente relacionamento com seu orientador de monografia ou de trabalho de conclusão de curso para que este auxilie você nas diretrizes e nos formatos a serem adotados.

 

Da mesma forma, para auxiliar você a ter sucesso em sua vida, a equipe de professores da Monografia AC desenvolveu um modelo de projeto de pesquisa em arquivo Word, com a atual formatação solicitada pela ABNT.

Basta se dirigir à página inicial da Monografia AC – Modelo de Projeto de Pesquisa


 

PARTES DO PROJETO DE PESQUISA

 

As partes componentes do projeto de pesquisa elaborado pensando-se na futura monografia ou do artigo cientifico são determinadas de acordo com a função do mesmo.

Dentro de sua funcionalidade explicitada já acima, o plano de pesquisa tem como premissa oferecer um panorama de idéias do que se pretende realizar na monografia. Quanto à extensão, ele não deve ser longo para explicar tudo aquilo que se destina a pesquisar, já que esta é a função do posterior trabalho de investigação, nem tão curto que não permita o entendimento sobre a proposta do tema monografico selecionado.

Em média, cada instituição tem um tamanho requerido para o projeto de pesquisa, mas em 10 a 20 páginas têm-se plenas condições de realizar um excelente panorama para a futura monografia.

A seqüência de tópicos ideais nestas páginas se encontra explanada abaixo:

  • Introdução
  • Abordagem ou formulação do problema
  • Justificativa
  • Objetivos (geral e específico)
  • Hipóteses
  • Metodologia
  • Esquema ou Sumário sugerido (opcional)
  • Calendário.
  • Referências

A partir daí, tem-se um esquema sequencial de praticamente todos os projetos de pesquisa produzidos no Brasil.

A MONOGRAFIA AC ESTÁ PREPARADA PARA REALIZAR EXCELENTES PROJETOS DE PESQUISA PARA AUXILIAR VOCÊ A DELINEAR SUA MONOGRAFIA OU SEU TCC

ABORDAGEM DO TEMA OU FORMULAÇÃO DO PROBLEMA

Esta seção deve explicar claramente sobre o que a investigação a ser realizada durante o desenvolvimento da futura monografia. Resumidamente, o problema consiste no grande questionamento proposto no projeto de pesquisa.

O problema do plano de investigação deve ser escrito de forma clara e consistente, para que não exista nenhuma dúvida.
Quando da formulação do problema, pode-se introduzir o questionamento como uma pergunta interrogativa. Porém, seria ideal que fosse realizada uma sucinta declaração, com ou sem uma pergunta direta, demonstrando de forma explicativa o tema.

Veja um artigo sobre O PROBLEMA DA PESQUISA

Outro elemento muito importante do anteprojeto, ou de qualquer trabalho de pesquisa ou monográfico, é o título escolhido, que tem a função plena de atrair o leitor, focalizando o máximo possível o tema da investigação e o conteúdo da mesma.

Saiba mais sobre o TÍTULO DO PROJETO E DA MONOGRAFIA

JUSTIFICATIVA E IMPORTÂNCIA DA MONOGRAFIA PROPOST

A justificativa de um projeto de pesquisa consiste na apresentação das razões por que se busca realizar tal investigação, sendo complementada pelo problema, que é uma pergunta ainda sem resolução, seja uma dúvida, uma vontade de testar ou compreender ou ainda alguma lacuna existente do conhecimento ou metodologia.

A Justificativa do plano de investigação tem como função esclarecer sobre a relevância da monografia a ser realizada, fornecendo os conhecimentos que você já tem sobre o tema. Caso deseje conhecer mais sobre a importância do tema da monografia

Quando você tem uma idéia sobre um tema específico, tente aprender o máximo sobre ele, busque bibliografias, converse com seu orientador, para ter uma noção clara sobre como esta temática é importante socialmente, cientificamente ou culturalmente.

Saiba mais sobre como fazer sua JUSTIFICATIVA DA PESQUISA

REFERENCIAL TEÓRICO

Depois de já haver situado os antecedentes e a fundamentação da futura monografia proposta no projeto de pesquisa, torna-se essencial desenvolver uma pesquisa bibliográfica referente ao tema selecionado no projeto.

Este referencial teórico, desenvolvido de uma forma breve, não pode se limitar a uma frase ou um questionamento, mas tem a função de explicar e demonstrar o significado do tema.

A fundamentação teórica do anteprojeto tem a finalidade de nortear o trabalho investigativo, apresentando fontes de pesquisa já realizadas sobre o mesmo tema, ou altamente correlato, sendo a hora do levantamento das publicações existentes, assim como do teor das mesmas, relacionadas ao mesmo tema do projeto.

As bases teóricas sustentam o problema, fundamentando-o. A função do referencial teórico no trabalho de planejamento, não é o de desenvolver um quadro teórico abrangente, com todos os detalhes e variáveis presentes no tema, mas de informar o leitor sobre as bases conceituais da qual faziam parte dos autores, teorias ou proposições no qual recai o estudo proposto pelo projeto para a futura monografia.

Saiba mais sobre a REVISÃO BIBLIOGRÁFICA do Referencial Teórico

OBJETIVOS

Os objetivos são as indicações do que se pretende estudar, quais os resultados que se procura alcançar, auxiliando ainda a identificação da natureza de estudo, assim como da delimitação da mesma.

É preciso esclarecer qual é o objetivo geral do projeto de pesquisa.

Em um trabalho documental, como é habitual na literatura monográfica científica, um objetivo geral seria

"Reconhecer as características da Educação à Distância no Brasil"

Em seguida, estes devem ser os alvos específicos. Ou seja, objetivos inseridos dentro do objetivo geral. Como exemplo, eles seriam as seguintes:

- "Analisar os fundamentos históricos e sociais da Educação brasileira”
- "Avaliar a evolução das ferramentas de EAD disponíveis no Brasil”
- Caracterizar as possibilidades de inclusão digital propiciadas pela EAD
- Etc

Como se pode ver, para elaborar os objetivos, gerais e específicos do projeto de pesquisa, deve-se ter uma idéia precisa do que se quer desenvolver na futura monografia.

Exatamente por tal razão que sempre sugerimos que, antes de iniciar seu plano de investigação, busque o máximo de informação possível, de fontes confiáveis. Quanto mais você conhecer sobre o tema, mais facilmente organizará suas idéias e proposições na figura do trabalho de planejamento a projetar e, mais importante, menos riscos correrá no desenvolvimento do futuro trabalho monográfico.

Da mesma forma, visando facilitar seu trabalho, inicie sua pesquisa bibliográfica realizando notas bibliográficas de cada fonte consultada. Em nossa página própria explicando as razões e como desenvolver a notação bibliográfica, você poderá baixar um modelo em Word para facilitar seu trabalho de investigação.

VEJA UM ARTIGO SOBRE OS OBJETIVOS DA PESQUISA

HIPÓTESES

As hipóteses têm um papel bastante significativo no anteprojeto pois, apesar de normalmente não serem um item obrigatório, apresentam bastante relevância ao enfocar, no texto do plano da pesquisa, as linhas de resultados que se espera encontrar quando da realização da monografia.

Uma dúvida muito comum por parte dos alunos ao desenvolverem seu projeto de pesquisa é se obrigatoriamente a monografia deverá apresentar como conclusões e resultados as hipóteses constantes no trabalho anteriormente apresentado.

Nada mais longe da realidade. Se o texto do trabalho em questão já fosse algo conclusivo, não seria necessária a realização da pesquisa monográfica.

Uma boa hipótese tem várias regras a serem seguidas. Veja como fazer uma excelente HIPÓTESE DE PESQUISA

METODOLOGIA

Todo projeto de pesquisa indica uma metodologia, que consiste na explanação do método, do modus operandi a ser adotado pelo aluno para a realização do seu trabalho de investigação e elaboração de sua monografia, independente do tipo desta. O tratamento oferecido aos dados a serem obtidos também faz parte da metodologia.

Tem-se como função da Metodologia no trabalho a informação e a descrição analítica dos processos que serão efetivados na investigação posterior. Por exemplo, você pode fazer a observação de que a o trabalho pesquisado será organizado em um enfoque teórico de revisão bibliográfica que abrangerá a natureza da Educação à Distância (para ilustrar o objetivo geral mencionado como um exemplo, no campo anterior) e um aspecto de de campo, estudo de caso ou de natureza prática, sendo esta última composta da análise do trabalho.

Nos projetos de investigação cuja proposta para a futura monografia recai na forma de revisão bibliográfica ou teórica, que também podem ser tidos em conta como aspecto metodológico, o tipo de análise que pretende utilizar, a saber: estruturalismo, semiótica, textual, etc.

Às vezes, as idéias são complementadas com a observação dos autores que pretendem utilizar em cada face da futura monografia. A formulação da metodologia apresenta uma visão geral de como o autor pretende conduzir o trabalho monográfico.

Sublinha-se, portanto, que a metodologia geralmente contém um desenho esquemático dos processos que são geralmente pensados para o desenvolvimento.

A Metodologia, as Hipóteses, os Objetivos e o Problema da pesquisa se relacionam profundamente entre si. Veja como se relacionam os elementos da pesquisa

ESQUEMA OU SUMÁRIO SUGERIDO

Ele é útil para desenvolver um sumário hipotético de como se pretende organizar a futura monografia. Com este sumário, visa-se oferecer um norte para se compreender como se desenvolverá a futura investigação monográfica. Isto não significa que, no decurso da investigação para a realização do TCC ou do artigo científico não se possa alterar este sumário, ou seja, ele não é definitivo.

CALENDÁRIO OU CRONOGRAMA

Em projetos, o campo Cronograma deve especificar as atividades e prazos para a realização das etapas inerentes à investigação para o posterior texto monografico.

Deve-se organizar o trabalho suscetível de datas e proporcionará uma melhor idéia de quanto tempo será necessário para produzir a versão definitiva da monografia final.

A definição dos custos do anteprojeto também deve estar indicada, demonstrando-se detalhadamente os gastos futuros a serem realizados para a consecução da investigação.

Já o cronograma serve como ponte de relação entre o tempo e o trabalho a ser realizado, devendo estar indicado por etapas visando a compreensão do aproveitamento do período disponível por parte do aluno.

REFERÊNCIAS

Como último tópico obrigatório do plano de investigação, tem-se o campo Referências, onde se situa a relação de fontes bibliograficas analisadas até aquele ponto, além da listagem de bibliografias que, apesar de ainda não analisadas, o serão em um momento posterior.

A bibliografia será uma indicação do tipo de prévias leituras já efetuadas, em andamento ou estão previstas para a realização da monografia. Em qualquer caso, como afirmava Sabino (2006), em um trabalho como o discutido aqui, pesa muito a concisão, o rigor de expressão e de esforço de síntese que explicações detalhadas ou dispersões que se afastam do princípio orientador fundamental deste.

Para terminar a questão que diz respeito ao "projeto de pesquisa", deve-se lembrar que não existe um modelo único de texto a ser seguido, universalmente aceito, para organizar seções, com uma formatacao especifica. Cada universidade apresenta uma fórmula própria, mais ou menos baseada nas normas estipuladas pela ABNT. Da mesma maneira, cada monografia ou cada TCC, assim como o nível de complexidade dos mesmos, sem dúvida terá implicações nas exigências inerentes ao anteprojeto de investigação respectivo, de acordo com o seu trabalho.

FONTES PARA A ESCOLHA CORRETA DO TEMA DO ANTEPROJETO

A seleção do tema deste campo de trabalho de investigação se dá de acordo com o assunto a ser pesquisado na futura monografia, e isto é claro. Primeiramente, você precisa se certificar de que escolheu adequadamente o assunto de seu trabalho. Assim, leia este artigo sobre os temas de monografia.

Tendo se certificado deste elemento, vamos continuar à discussão do seu anteprojeto. Agora podemos passar para a discussão das fontes. É nesta etapa que estas deverão ser claramente determinadas, dentro dos campos acima discutidos. Esta é uma etapa crítica e relativamente difícil, pois se você se atrapalhar aqui, ou terá problemas para que seu trabalho seja aprovado, ou não conseguirá realizar a futura monografia ou futuro artigo científico.

Avancemos para o campo do conhecimento que você abordará: isto será ligado primeiramente ao seu curso, afinal se você faz Direito, não vai querer tratar de Matemática, não é verdade?

Em seguida, vamos estabelecer o que denominamos como subcampos investigativos, ou seja, aproximamo-nos do título que estampará nosso projeto, o que é o mesmo que afirmarmos que teremos recortado o assunto, e que somente vamos nos separar dele quando tivermos defendido nossa monografia.

De modo a facilitar e certificar você sobre o melhor para seu trabalho anterior, temos uma lista que poderá dar um norte:

- Selecione as bibliografias a serem citadas no campo das Referências

- Entre em contato com especialistas ou com professores que tenham experiência na área em que você quer delinear seu projeto de pesquisa.

Defina quais os vazios existentes, de acordo com o problema da investigação anteriormente discutido.

- Tente encontrar na sua pesquisa as perguntas ainda não respondidas ou então as respostas conflitantes e tente delimitar paralelos entre as metodologias da pesquisa adotadas. Você pode, se estiver na graduação, procurar replicar isto em seu anteprojeto, ou então

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE ANTEPROJETOS

A proposta de um bom projeto de pesquisa será avaliada pelo seu professor orientador, sua universidade ou a instituição financiadora considerando os seguintes critérios:

- Clareza na apresentação das diversas partes

- .Integração e coerência interna sobre as várias seções acima explicadas .

- Seleção de um problema da pesquisa relevante no contexto econômico, científico ou cultural a partir de uma primeira aproximação sobre:

  • A revisão de literatura feita
  • atualidade e necessidade de estudo do problema no contexto do país, região ou sociedade
  • apresentação de um problema no qual dados e variáveis de tipo empírico e conceitual se integrem, em relação ao tema escolhido.

- Objetivos gerais e específicos possíveis de serem cumpridos

- Um referencial teórico atualizado em termos de:

  • Consulta de outras pesquisas e bibliografias atualizadas (artigos científicos, livros, outros projetos de pesquisa, monografias, etc.)
  • Integração e crítica dos elementos apresentados.
  • Conclusões da revisão bibliográfica que dêem fundamento à escolha do problema.

- Apresentação de uma metodologia da pesquisa geral concordante com o problema e os objetivos apresentados.

Apresentação clara dos recursos disponíveis para colocar em prática o projeto proposto.

- Apresentação formal consistente através de todo o anteprojeto (títulos, citações, bibliografias), redação adequada.

Assim, infere-se que a avaliação de um bom projeto é baseada na clareza que tenha o estudante sobre o que quer pesquisar e a possibilidade de fazê-lo desde o ponto prático e a originalidade que aporte à pesquisa.

 
COPYRIGHT