Monografia | AC  
Faça aqui seu orçamento !
Contatos
MONOGRAFIA ACAprenda sobre MonografiaDissertação de MestradoProjeto de PesquisaFormatacao ABNT para Monografias e TCCArtigo CientificoQualidade em MonografiasInvestimentoOrçamentoContato com a Monografia AC

MONOGRAFIA DE ECONOMIA

 

Feed da Monografia ACTwitter da Monografia ACPerfil Facebook

TEMAS DE MONOGRAFIA E TCC EM ECONOMIA

O QUE É ECONOMIA

TIPOS DE ECONOMIAS

CIÊNCIA ECONÔMICA

IMPACTO DOS ELEMENTOS ECONÔMICOS NA SOCIEDADE

As perguntas sobre "o que produzir", "de que forma fazê-lo" e "como distribuir nossa produção" fazem parte da rotina diária dos donos de uma empresa, sendo que, de modo resumido, é o conteúdo das graduações e pós-graduações de Economia ou Ciências Econômicas e, da mesma forma, será o conteúdo de cada monografia ou do TCC elaborado pelos mesmos como etapa final. No entanto, a soma dessas perguntas implica um gasto econômico que, em algumas ocasiões pode chegar a ser imprevisível para quem conta com seu próprio negócio.

A economia de um país arroja variáveis tão complexas, que muitas vezes preferimos fugir deste tema. No entanto, é necessário que os empresários conheçam e saibam manejar esta atividade para aproveitar os benefícios de seu negócio; e os consumidores possam maximizar seu bem-estar individual.

ECONOMIA

O QUE É A ECONOMIA?

CIÊNCIAS ECONÔMICAS

O termo tem ao menos três acepções diferentes:

Por um lado, utiliza-se para mencionar a ciência econômica
.
Em segundo lugar, para referir-se ao um sistema econômico em particular, as relações ou situação econômica de uma zona geográfica.

Em terceiro lugar, sendo este último uso menos acadêmico, utiliza-se como sinônimo do correto uso dos recursos ou as vezes para referir-se ao não desperdício ou à poupança dos mesmos ("fazer economia").

Lionel Robbins define a economia como a ciência que estuda "a satisfação das necessidades humanas mediante bens". No entanto, outros como Friedrich Engels afirma que as Ciências Econômicas são aquelas que estudam as leis relacionadas com a "produção, distribuição, circulação e consumo dos bens materiais".

Certamente, os membros de uma sociedade consomem bens e serviços para subsistir, mas é importante que estes saibam como devem administrar estas variáveis para não recair na escassez, ou seja, na falta. Precisamente este é um dos objetivos gerais da economia, dar as ferramentas necessárias para saber como otimizar e manejar situações como estas. Assim, é normal que muitos temas de monografia ou mesmo de artigo científico nesta área do conhecimento abordem a gestão de recursos econômicos, sejam bens, produtos ou valores monetários por parte de uma entidade, um país, uma população, etc.

O indivíduo deve proporcionar o melhor uso aos recursos com os quais conta, e para isso deve levar em consideração o meio econômico no qual se desenvolve: inflação, controle de mudanças, variação de preços, impostos, etc.

TIPOS DE ECONOMIAS

As seguintes definições são ramos que derivam da economia e que estão intimamente relacionadas com o estudo de diferentes fatores que influem no desenvolvimento das ciências econômicas,

Ao longo de décadas de estudo e pesquisa nesta área, o campo foi sendo aprofundado e diversificado, pela própria complexidade das economias no âmbito mundial, em pequena e em larga escala o qual derivou numa série de subdisciplinas nas universidades e institutos econômicos; estas são as mais significativas:

MICROECONOMIA

Estuda o comportamento de unidades individuais. Analisa as variáveis que contribuem para estabelecer os preços relacionados com os bens, as quantidades e os benefícios que isto traz para as empresas e os consumidores. Utiliza uma linguagem matemática para arrojar resultados. Desta feita, este é o campo em que monografias e o tcc tratam de questões de produção em menor escala, sejam mercados de produtos, sejam estudos e projetos de pesquisa realizados dentro de instituições.

MACROECONOMIA

Contrariamente à microeconomia, este ramo estuda o comportamento de agregados, isto é, daquelas variáveis que estão relacionadas com o consumo, a poupança, o investimento, inflação, o tipo de mudança, entre outras. No entanto, este conceito parte do anterior, já que os agregados surgem precisamente de unidades individuais. Um de seus objetivos é diminuir o desemprego e elevar o nível de produção, entre outros aspectos. Temas de monografia focados neste ramo do conhecimento tratam do comportamento econômico em larga escala, como de países, de estados, elementos públicos, estudo de variáveis que afetam a todos que se encontram na região de estudo, etc.

ECONOMIA INTERNACIONAL

Estuda as relações econômicas (comércio, transações, mercados cambiais, ajuste da balança de pagamentos) entre países. Atualmente esta economia se divide em quatro setores: o Mercosul, a União Europeia, o Tratado de Livre Comércio de América do Norte (TLCAN) e o Bloco Asiático. Pesquisas e TCC que abordem pontos econômicos internacionais tratarão sobre o intercâmbio de produtos e serviços, comparações, variações de mercados internacionais, elementos competitivos, disputas, etc.

CIÊNCIA ECONÔMICA

Existem variadas tentativas em definir o que seriam e quais seriam as ciências econômicas, sendo muito difícil encontrar um conceito que satisfaça a economistas e pesquisadores de outras especialidades, sendo este aspecto bastante comum, já que diversos elementos econômicos fazem parte de monografias e artigo científico dos mais diversos ramos do conhecimento humano. Isto porque o setor de produção e circulação de bens e serviços se relaciona a áreas acadêmicas variadas como Geografia, Administração, Marketing, Direito, e muitos outros.

A definição mais clássica é tributada a Lionel Robbins, que afirmou que “a economia é a ciência que estuda a conduta humana como uma relação entre fins e meios escassos que têm usos alternativos”, de acordo com sua obra, Ensaio Sobre a Natureza e Significado da Ciência Econômica, de 1932. Esta definição se refere pontualmente a um único aspecto, o microeconómico.

Além de estudar a conduta humana, esta área científica ainda mira no sentido de estudar um aspecto da realidade social, comportamentos e envolvimentos a nível agregado ou macroeconômico, sendo basicamente estes os problemas de pesquisa em monografias. Pode-se dizer que a escola conhecida como a Economia do Bem-estar se refere ao conceito teórico como o estudo das condições sob as quais se pode maximizar o bem-estar de uma comunidade, e a adoção das atitudes necessárias para a conquista do objetivo proposto.

Esta definição outorga à ciência econômica um maior conteúdo normativo, por oposição à definição de Robbins, segundo a qual a economia é uma ciência eminentemente positiva.

Este ramo do conhecimento científico, como disciplina que estuda a conduta de seres humanos em relação mútua, deve obrigatoriamente ser encarada como uma ciência social, isto é, não se trata de uma ciência exata, o que afeta diretamente sua previsibilidade, portanto, não bastam as demonstrações lógicas ou matemáticas para aceitar que seus postulados possam ser replicados e previstos na realidade.

Na verdade, esta é uma grande dificuldade da prática aplicada dos postulados econômicos, no seu âmbito científico, acadêmico e cotidiano, sendo tal incapacidade de predizer os resultados e consequências de mudanças nos padrões monetários, produtivos, entre outros uma grande fonte de riscos. Desta feita, toda monografia, todo artigo científico e todo TCC que aborde qualquer temática neste ramo do conhecimento obrigatoriamente, apesar de tentar delimitar variáveis e tentar se aproximar da realidade, deve sempre estar voltada para tal impossibilidade.

Há na teoria econômica presença de pensamentos complexos, noções alternativas e por vezes conflitivas, ideias sobre a articulação entre o social, o político e o econômico, já que todas estas questões influenciam e são influenciadas por elementos atrelados à pesquisa destas ciências. É por isto que muitos economistas recebem críticas por tentarem formular propostas que parecem ter um caráter dogmático, já que enunciam suas conclusões como leis universais, o que infelizmente não é verdade, já que os grupos humanos e os elementos atrelados à produção, circulação e venda também mudam. As críticas provêm principalmente de pesquisadores de outros ramos, como filósofos ou pesquisadores epistemológicos, mas também dos próprios economistas.

IMPACTO DOS ELEMENTOS ECONÔMICOS NA SOCIEDADE

Quando se pede uma definição complementar, mais voltada para atender aqueles que nunca tiveram contato anterior com tal ramo de pesquisa, costumam estar presentes conceitos relacionados com o dinheiro, com o valor das coisas ou com a riqueza das pessoas ou os países.

Se perguntamos a uma pessoa na rua sua opinião sobre os problemas econômicos, sua resposta estará relacionada com certeza ao desemprego, à inflação, ou seja, ao aumento dos preços ou a situação da Bolsa de Valores.

Efetivamente, o campo de estudo convencional da Economia alcança todos os problemas relacionados com a determinação do preço de todos os bens e serviços, com a análise de atividades que implicam custos e que produzem benefícios mensuráveis em elementos monetários, ou seja, em moeda corrente, ou em resumo, com a produção e distribuição de bens e serviços para a satisfação de necessidades humanas.

Mas o dinheiro, para espanto de muitos, não é tudo, nem na pesquisa, nem na prática econômica. De fato, é possível resolver grande quantidade de problemas sem utilizar elementos monetários. Por outra parte, o preço de muitas coisas não está expressado em unidades de moeda; o indivíduo que comete um crime e é condenado à prisão, por exemplo, paga sua dívida à sociedade em unidades de tempo. O mesmo método pelo qual se calcula o efeito sobre o consumo de leite depois de um aumento em seu preço, é utilizado também por alguns teóricos da Economia do Direito para estimar o efeito que ocorreria um aumento das penas sobre a atividade criminosa.

Com uma frase muito curta, o professor Lionnel Robbins converteu em gigantesco o campo de estudo da Economia; sua conhecida definição diz que esta é a ciência que estuda a conduta humana como uma relação entre fins e meios limitados que têm diversa aplicação. Os fins dos seres humanos são numerosíssimos e em contínua expansão: vão desde a satisfação das mais elementares necessidades biológicas ao aproveitamento dos mais elevados prazeres culturais ou espirituais. Como a ânsia em satisfazer essas necessidades é imbatível, os meios para obtê-los: o tempo dedicado ao trabalho, as fábricas, as minas ou os poços de petróleo, por exemplo, são e serão sempre insuficientes. Estes meios podem ser dedicados a produzir diferentes coisas e seus produtos podem ser destinados a diferentes pessoas.

O ser humano precisará eleger entre esses usos alternativos, as diversas aplicações desses meios. Está continuamente tomando decisões desse tipo. Os critérios para essa eleição, os métodos para valorizar as diferentes alternativas e os efeitos das decisões adotadas serão o objeto de nosso estudo científico econômico. A água, por exemplo, contrariamente ao que se pode pensar, é um recurso muito escasso e suscetível de usos alternativos.

Mas essa definição de Economia é bem mais ampla do que seu próprio autor pretendeu já que pode incluir temas nos quais o dinheiro ou a riqueza das pessoas e os países intervêm somente de forma indireta ou em um sentido muito geral.

Vejamos um exemplo: um dos desejos de todos os membros de nossa sociedade é que se acabem, ou ao menos que se reduzam, os assaltos a mão armada. Para isso podem ser úteis os seguintes meios: o trabalho de todos os policiais, sejam estes de que organização policial forem, os juízes e os servidores públicos de prisões, as próprias prisões, etc. mas também são úteis a longo prazo os pesquisadores, os professores e as escolas.

Se atribuíssemos a cada indivíduo marginal em desemprego um grupo de pessoas, assistentes sociais, psicólogos, professores de técnicas profissionais, que estudasse e procurasse soluções para os problemas pessoais de falta de cultura, falta de motivações e falta de formação profissional, é indubitável que o problema da criminalidade se reduziria em grande parte ou inclusive desapareceria. Mas esses meios são escassos. O número de agentes policiais, de assistentes sociais, de professores no país é limitado. E têm que se dedicar também a outras coisas.

Assim, dentro deste exemplo, é preciso escolher o que é mais importante. Potencializamos o sistema policial-penitenciário ou o sistema educacional? Novamente, este é um dos muitos, quase infinitos exemplos em que a ciência e as teorias econômicas podem ser exploradas também em uma monografia ou um TCC de Economia.

A definição de Estudos Econômicos de L. Robbins é muito ampla quanto ao número de temas que abrange, mas também é ampla no que se refere aos indivíduos da decisões econômicas. A escassez dos recursos e a necessidade de eleger entre alternativas de uso é um problema comum a todos os seres vivos. De fato, foram realizados estudos do comportamento de pastagem em muitas espécies de animais e se comprovou que suas decisões seguem os mesmos critérios que prevê a teoria econômica para os humanos, sendo esta uma excelente alternativa para temas de monografias de Biologia. O esforço destinado a conseguir alimento ou as distâncias percorridas podem deduzir-se mediante fórmulas matemáticas, as mesmas que descrevem as pautas de gasto e consumo dos humanos.

Os fenômenos de especialização, concorrência e equilíbrio de nosso sistema econômico são observáveis também entre os animais. Há conceitos usados por biólogos e economistas que parecem estar designando ao mesmo tipo de fenômenos: evolução e progresso, mutação e inovação, reciprocidade e intercâmbio.

Foi, aliás, um biólogo, Michael Ghiselin, quem propôs nomear de Economia Natural o estudo dos efeitos da escassez entre todos os seres vivos, reservando o uso da expressão Economia Política ao estudo dos comportamentos que, por estarem submetidos a um ordenamento jurídico, fossem exclusivos dos seres humanos. Dois tipos de argumentos podem opor-se a essa classificação. Um, que os animais também estão submetidos a um verdadeiro ordenamento quase-jurídico, pela estrutura social interna de cada grupo ou população; outro, que as decisões econômicas dos seres humanos podem sempre ser postas em prática eludindo a Lei.

TEMAS DE MONOGRAFIA E TCC EM ECONOMIA

Uma das maiores dificuldades para o estudo de monografias e TCC em Economia recai sobre a definição do tema de monografia ou TCC . Por isso, a Monografia Ultra vem aportar uma série de artigos de discussão voltados para permitir um maior embasamento teórico que permitiria mais facilmente a escolha da temática do seu trabalho monográfico no âmbito das Ciencias Economicas.

Assim, poderíamos citar como exemplos de tema para uma monografia ou um TCC nesta disciplina:

- EXPORTAÇÃO DO MODELO ECONÔMICO CHINÊS - Aqui se aborda a questão do domínio dos modelos de produção e econômicos chineses em outros países. Por ser um mercado consumidor de matérias primas e commodities, a China demanda estabelecer parcerias com os demais países fornecedores, em um modelo de deterioração produtiva e social para estes últimos. Obviamente, tal processo é paulatino e sempre mantido como um fator de prosperidade e melhorias infraestruturais.

- A TEORIA DOS JOGOS E A ECONOMIA - Uma das principais buscas das ciências econômicas é a caracterização da previsibilidade dos agentes econômicos, independentemente do panorama. Isto se dá porque o fator psicológico está altamente atrelado aos comportamentos econômicos. Este artigo trata da aplicação da teoria dos jogos na economia, sendo uma excelente base monográfica para o entendimento sobre os comportamentos dos mercados, seja na micro como na macroeconomia.

- A QUESTAO AGRARIA - Este tema de monografia ou de TCC de Economia é base fundamental para se entender as relações economicas brasileiras históricas e contemporaneas. As questões agrícolas e pecuárias são bastante significativas em uma pesquisa monográfica nesta área do conhecimento. Isto se dá porque países em desenvolvimento, como no caso do Brasil, têm seu panorama econômico altamente dependente do campo.

- O PETRÓLEO E O PRÉ-SAL - Aborda-se neste campo todo o impacto causado pela descoberta e exploração do petróleo proveniente das Bacias de Santos, Tupi e outras na camada do pré-sal e como a exploração deste elemento tem um alto impacto no estudo econômico do Brasil. A caracterização deste panorama tem profundo impacto nos elementos macroeconômicos e micro.

- A ECONOMIA SOLIDÁRIA - Aqui se abordam os aspectos econômicos sociais, como estes são aplicados pelas organizações, como as teorias econômicas se desenvolvem no seio das sociedades e as participações de todas as entidades, públicas e privadas, oficiais e não-oficiais, pobres e ricas, podem se envolver nesta área.

- O CAPM - Diversos modelos de estudo de riscos de investimento tentam caracterizar o melhor panorama. O CAPM ou capital asset pricing model visa estabelecer a precificação dos ativos. Este é um ótimo tema para um estudo monográfico, de forma que se permite a análise dos padrões de riscos ao se investir nos mesmos.

Da mesma forma, caso deseje ver temas de monografia e tcc em Marketing

 

 
COPYRIGHT